"Esquadrão Suicida" é melhor do que dizem as críticas - Overdrivers
  • RSS feed
  • Twitter
  • Facebook
  • Google+
  • Vimeo
 

“Esquadrão Suicida” é melhor do que dizem as críticas

Antes de escrever qualquer coisa sobre “Esquadrão Suicida”, eu gostaria de lembrá-los que este é um filme de aventura de supervilões da DC Comics feito teoricamente para ~agradar~ os fãs dos quadrinhos, e não um drama húngaro feito para concorrer ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro. Não, isso não é uma crítica, e nem um elogio, é apenas um fato. Fato que parece óbvio, mas do qual as pessoas têm esquecido ao avaliá-lo. O tão esculachado longa de David Ayer não é um filme para ser levado a sério, é um filme feito para entreter o público e, apesar de ser menos ousado e criativo do que poderia ser, entrega a diversão que promete.

“Esquadrão Suicida” começa frenético, apresentando os personagens em linguagem de videoclipe, para depois perder o ritmo em uma edição meio confusa, que parece claramente não corresponder à ideia original do diretor. Aliás, essa é outra coisa que você também já deve estar cansado de ler por aí: depois das muitas críticas negativas a “Batman vs Superman: A Origem da Justiça”, a Warner resolveu mudar “Esquadrão Suicida” antes mesmo de ele ter sido finalizado. Além de editar versões alternativas à de David Ayer, o estúdio gastou mais alguns milhões de dólares com filmagens adicionais, num esforço de tentar dar ao longa um tom mais leve e divertido, e é esse o maior problema do filme. Os personagens e todo o universo da DC são naturalmente mais sombrios que os da Marvel, e essa frustrada tentativa de empurrar um falso humor goela abaixo do diretor, deixou a produção bem menos consistente. A maior das falhas de “Esquadrão Suicida” é não ter sido suficientemente corajoso para ser o que vimos em seu primeiro trailer (abaixo): um filme de tom sombrio que beirava o gore.

arlequinapistoleiro

Mas, apesar das falhas alardeadas por muitos críticos, “Esquadrão Suicida” também tem seus acertos e não é “pior do que os vilões” nele retratados, como disseram muitos. A escolha de Will Smith e Margot Robbie para viverem os protagonistas – sim, apesar de o filme ser sobre um grupo formado por seis vilões, dois deles têm destaque muito maior que os outros -, Pistoleiro e Arlequina, é um deles. A interpretação de Will Smith é, junto com a de Viola Davis na pele da amoral agente Amanda Waller, um dos pontos altos do filme. O ator conseguiu brilhar no papel do assassino de aluguel que jamais errou um tiro e nos envolver com os dramas de seu personagem. Na pele da linda e louca Arlequina, Margot Robbie rouba a cena desde o início do filme e transforma a psicopata atormentada, vítima de um relacionamento abusivo com Coringa, na rainha da porra toda, dando credibilidade à loucura e à imprevisibilidade da personagem. Menção honrosa também para o ótimo Jay Hernandez, na pele do El Diablo.

coringa

Agora vamos ao Coringa de Jared Leto. O ator foi tão criticado por esse trabalho que chegou a declarar que pensa até em parar de atuar. Gente, em duas horas de filme, se juntarmos todas as pequenas aparições do nosso amado psicopata, teremos no máximo 15 minutos de cenas (chutaria até menos). O Coringa está em “Esquadrão Suicida” apenas para explicar a origem da insanidade da sua ex-psiquiatra Arlequina, e Jared Leto ainda ganhou de brinde o desafio de mostrar um lado ‘apaixonado’ do vilão. Portanto, acho realmente muito injusto dizer que ele errou a mão no personagem. Não há cenas nem tempo suficientes para chegarmos a essa conclusão.

Outro acerto de “Esquadrão Suicida” fica por conta da direção de arte. Toda a linguagem visual do filme é simplesmente sensacional. Desde a caracterização dos personagens, passando pelos cenários apocalípticos, até a fotografia que dá ao filme o tom sombrio que ele perdeu com as mudanças de roteiro e edição, esteticamente, o filme é exatamente o que deveria ser no geral (pelo menos do meu ponto de vista).

Aí, agora é o momento em que você deve estar se perguntando: “mas afinal, o filme é bom ou ruim?”. O filme é OK! Não é maravilhoso como poderia ser, e nem ruim como você leu por aí. Talvez outro grande problema tenha sido, além das mudanças de última hora, o marketing de “Esquadrão Suicida”. Por conta do enorme sucesso do case, a expectativa em torno do longa era altíssima. Desde que foram divulgadas as primeiras imagens, no ano passado, “Esquadrão Suicida” se transformou em um dos lançamentos mais aguardados da temporada. Todo o burburinho criado em torno do filme dos vilões da DC Comics nos fez ter a a esperança de que algo inovador poderia acontecer no já batido segmento de filmes adaptados dos quadrinhos. Juntando o fato de as expectativas em torno do lançamento serem altíssimas com a falta de coragem da Warner para bancar a inovação que esperávamos, é possível entender a decepção de muitos em relação ao longa. Mas no final das contas, “Esquadrão Suicida” cumpre bem o seu papel de entreter e divertir o espectador.

Comments

comments

 

About Mariana Schittini

Radialista por formação, jornalista por profissão, Mariana Schittini obviamente gosta de dar opiniões. Quando o assunto é cultura pop, então, o desejo de buscar informações e de compartilhar pontos de vista se torna ainda maior. E as opiniões dessa (por enquanto) ruiva, não te deixarão entrar em roubada. View all posts by Mariana Schittini
 

CONTEÚDO EXCLUSIVO PARA OVERDRIVERS NO FACEBOOK

publicidade