#OpiniãoOver: "O Lar das Crianças Peculiares" é uma fantasia salva para o cinema pelas mãos de Tim Burton
  • RSS feed
  • Twitter
  • Facebook
  • Google+
  • Vimeo
 

#OpiniãoOver: “O Lar das Crianças Peculiares” é uma fantasia salva para o cinema pelas mãos de Tim Burton

O filme “O Lar das Crianças Peculiares” é uma adaptação cinematográfica do primeiro livro da trilogia infanto-juvenil de fantasia, “O Orfanato da Srta. Peregrine para Crianças Peculiares”. O longa é mais uma produção dirigida, e com a estética criativa, do mestre surrealista, Tim Burton.

livros-orfanatosrtaperegrineNeste, até então, primeiro filme, o jovem Jake, ao ver seu avô passar por uma morte traumatizante e misteriosa, recebe um último pedido, para que viaje até uma ilha na Inglaterra e encontre a Srta. Peregrine (vivida pela, também peculiar, Eva Green), que nada mais é do que a responsável por um orfanato com crianças com dons peculiares. Ao chegar ao seu destino, Jake vê o orfanato em ruínas (destruído desde a Segunda Guerra Mundial), e através de algumas pistas, encontra uma fenda temporal (portal), que o faz voltar no tempo e chegar ao ano de 1945, aonde a Srta. Peregrine protege cada uma destas crianças como se fossem seus amados filhos, dos chamados, Etéreos.

O longa, quanto ao seu roteiro, deixa alguns buracos em alguns momentos, que faz com que o espectador se perca ao tentar ligar todas as informações do filme. Não sei se para quem já leu os livros, a sensação é outra. Precisei assistir praticamente duas vezes para esboçar uma #OpiniãoOver condizente com os fãs da saga. Porém, a “mão” de Tim Burton para trabalhar com universos fantásticos sempre encanta. Cada uma das crianças do filme, com seus respectivos dons, e os monstros Etéreos, têm em si a assinatura visual do mestre do surrealismo cinematográfico contemporâneo. E é justamente isto, junto com a espetacular Eva Green, que fazem valer o filme. Afinal, Tim Burton é Tim Burton. “Peculiar” pra caramba e ponto final. Nunca será ruim. E foi a sua “mão” que salvou o filme.

Achei também que a temática, um tanto quanto infanto-juvenil, que respeita o primeiro livro, poderia ter uma interpretação de fotografia mais gótica e cinzenta, mas este é um ponto de vista pessoal. Quem sou eu para julgar as escolhas de filtros deste diretor “mosntro”? KKKKKKK! No macro, após este meu mergulho no orfanato peculiar, achei que se não fosse o mestre Burton, apenas Guillermo Del Toro, de “O Labirinto do Fauno”, faria um trabalho no mesmo nível para esta história, mas, segundo o próprio Tim, a trilogia “O Lar da Srta. Peregrine para Crianças Peculiares”, parece um livro escrito por ele. Já que é assim, como faz pra não bater palmas?

Comments

comments

 

About Rodrigo Pulga Joe

Cantor, compositor, entertainer e diretor de arte. Um devorador de filmes, séries, shows, músicas e baladas. Ah! Desce mais uma dose de cultura pop, please! Álbuns - Pulga Joe: www.youtube.com/pulgajoe View all posts by Rodrigo Pulga Joe
 

CONTEÚDO EXCLUSIVO PARA OVERDRIVERS NO FACEBOOK

publicidade