#OpiniãoOver: Série "O Exorcista", da Fox, dá a receita de como estragar um clássico
  • RSS feed
  • Twitter
  • Facebook
  • Google+
  • Vimeo
 

#OpiniãoOver: Série “O Exorcista”, da Fox, dá a receita de como estragar um clássico

No finalzinho de 2016, eu estava terminando de assistir à primeira temporada de “O Exorcista“, série da Fox que tem ligações com o clássico filme de 1973. Iniciei esta jornada com um tesão imenso, afinal, quando vi a menina que virava a cabeça, falava com várias vozes, vomitava que era uma beleza, e descia as escadas fazendo o quadradinho de oito, literalmente fiquei noites sem dormir. Era uma negatividade só. Puta filme pesado. Demorei anos para assistí-lo de novo. Sempre achei que as continuações e prelúdios não tiveram o mesmo impacto do primeiro. Pois é! Conseguiram fazer pior.

A série começa com uma família que tem uma filha com suspeita de possessão ou loucura, e dois padres (o exorcista e o latino mais bonzinho), que tentam desvendar o que se passa com a cabeça da pobre garota. Nos primeiros episódios fiquei grudado na tela. Os três primeiros chegam a te ameaçar a não assistir aos próximos sozinho. Mas não é isto o que acontece depois. Com uma linguagem visual de videoclipe, que não assusta ninguém, o roteiro se desenvolve para uma pseudo conspiração demoníaca, que envolve o Vaticano e traz ligações com a nossa querida Regan (Linda Blair), do primeiro filme. Mudaram tudo, sem dó e sem classe. Ampliaram o conceito da simples possessão, para um quadro maior, que chega até a prejudicar o legado deixado por William Peter Blatty, em seu romance, naquele quarto com os padres Karras e Merrin.

Toda aquela negatividade e peso, que se via na mais tosca direção de arte (devido aos efeitos escassos da época), foram pro saco. O diabo, que nos traz medo por ser um desconhecido, agora tem cara, e é interpretado por um ator vestido de terno, que não assusta e nem incomoda ninguém. Na verdade, na hora que deram “cara” pro bicho, desmistificaram o demônio do primeiro filme. Parece um senhor, vendedor de funerária (sem preconceitos, mas este não é o diabo. É?).

Há ainda, a presença da já coroa, e não menos bonita, Geena Davis (ela vive uma personagem chave que une o filme e a série). Mesmo assim, foi uma decepção total. Sempre penso que seria bom ter cuidado com refilmagens e continuações. A grande maioria estraga tudo.

Se não quiserem acabar com as lembranças mais aterrorizadoras do clássico de 73, não assistam. A série “O Exorcista”, infelizmente, joga tudo no ventilador. Espero que não seja renovada para a segunda temporada (já li também sobre rumores de cancelamento, em outros sites e blogs).

Abaixo o trailer (que é uma das coisas boas – assisti por causa dele):

Comments

comments

 

About Rodrigo Pulga Joe

Cantor, compositor, entertainer e diretor de arte. Um devorador de filmes, séries, shows, músicas e baladas. Ah! Desce mais uma dose de cultura pop, please! Álbuns - Pulga Joe: www.youtube.com/pulgajoe View all posts by Rodrigo Pulga Joe
 

CONTEÚDO EXCLUSIVO PARA OVERDRIVERS NO FACEBOOK

publicidade